RESENHA - QUADRINHOS: DESIGNOS DIVINOS

Designos Divinos (título original: Act of God) é uma mini-série em 3 edições que tem como finalidade explorar o universo de super-heróis da DC Comics durante uma crise, na qual uma estranha luz negra envolve todo o planeta e inexplicavelmente faz com que todos os heróis que são dotados de super-poderes deixem de possuí-los, e isso acaba por estremecer os alicerces de um mundo que, de certa forma, era outrora comandado por meta-humanos. O interessante da mini-série é de justamente testemunhar o comportamente de heróis, outrora imbatíveis, mudar da água para o vinho, quando estes se vêem impotentes e à mercê de vilões que não foram afetados pela luz negra, visto que sempre tiveram a tecnologia como suas principais armas, algo no mínimo inusitado.

Outro fato interessante é notar que os heróis que nunca tiveram super-poderes agora têm o dobro de responsabilidade para com seu dever de servir e proteger a humanidade, deixando-os ainda mais vulneráveis para futuros confrontos, como, por exemplo, o Aço, o Gladiador Dourado e o Besouro Azul. Acabamos por nos aprofundar também na psique de heróis icônicos, como o Super-Homem, que não consegue impedir o rompimento de uma barragem, e acaba por testemunhar a destruição de uma cidade inteira, o que o torna um ser recluso e deprimido; outros heróis, como o Lanterna-Verde e o Flash também passam por modificações comportamentais, como a obsessão de dar o troco em um vilão que o humilhou, e a vida de um policial ser perdida porque ele não foi rápido o suficiente para impedir tal ação.

Alguns heróis se tornam mais humildes; outros questionam suas posturas no passado; outros simplesmente deixam o passado para trás e seguem suas vidas como qualquer ser humano normal e outros se vêem perguntando qual o real propósito disso tudo, e se Deus está os punindo por algo que fizeram ou deixaram de fazer.

Um ponto negativo é o fato de a mini-série ser curta demais, além de algumas “decisões grupais”, tanto do lado dos heróis quanto do lado dos vilões, terem me incomodado um pouco, sem conflitos internos e com todos concordando com o que é posto em pauta, o que é um tanto forçado, se pensarmos bem, mas isso não influencia tão agressivamente a ponto de querermos largar a leitura de lado.

Designos Divinos nos traz uma proposta diferente e interessante, na qual despe seus heróis e traz à tona seus reais sentimentos perante o propósito de suas existências e também sobre a real força que um super-herói precisa ter, além de sua real função e importância perante um mundo dominado por forças malignas, que a cada dia tornam-se mais poderosas e mortais, e os heróis nada podem fazer, por estarem “aleijados”, a não ser lamentar por não terem a capacidade de agir sem seus poderes, que há muito lhes serviram como “muletas”.
Nota: 8,0


Designos Divinos 01


Designos Divinos 02


Designos Divinos 03

Para a leitura das revistas, faz-se necessária a instalação do CDISPLAY , um programa próprio para a visualização dos arquivos; para a "navegação" das páginas, basta utilizar as teclas "Page Up" e "Page Down" para "virar as páginas" e as teclas direcionais para subir ou descer nas páginas.
These icons link to social bookmarking sites where readers can share and discover new web pages.
  • Digg
  • Sphinn
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Mixx
  • Google
  • Furl
  • Reddit
  • Spurl
  • StumbleUpon
  • Technorati

One Response to this post

  1. Driele on 27 de agosto de 2011 14:07

    @_@
    CARA!
    Esse HQ consegui ferir violentamente minha imagem do Superman.
    Então quer dizer q o maior herói do mundo, o "homem do amanha" se auto destrói daquele jeito por causa de uma crise?!
    Ele é q devia puxar o bonde da esperança, do recomeço nessa bagunça!
    Ainda bem q a estória se passa numa realidade paralela.
    Mas no fim eu gostei bastante do HQ. Achei legal a proposta. Vou Até procurar a publicação q antecede essa, Trindade.

    Foi muito legal ver como os heróis reagiram á nova situação. Alguns inconformados, destruidos, esperançosos, enfim.
    Acho q no fim o q permaneceu mais digno durante td estória foi o Jhon tirando apenas uma coisa. A porcaria do nome q ele escolheu no final, Esmeraldino. Q nome mais idiota!
    Depois de td a estória só reforça uma coisa q nós já conhecíamos sobre esse universo:
    Não são os poderes q definem o herói mas sim sua força de vontade.
    Como disse o Jhon, adaptação é tudo!
    Abç Pimp ;D

Leave a comment